ACINTE DOS TRABALHADORES




Penso que a intenção do Governo quando incluiu o Auxilio- Reclusão para o INSS pagar era posar de humanitário, ombreando-se com os países de Primeiro Mundo que possuem este benefício.

Entretanto, somos um país com infinitos problemas internos que devem ser tratados com prioridade, entre eles, a Saúde e a Educação, sem falar em estradas mal tratadas, esburacadas e a falta de emprego para a maioria da população, nas infraestruturas tais como na ausência de saneamento básico e moradias para grande parte da população brasileira.

Os Assistentes Sociais, desde a década de 1950 clamaram providências do Governo para implantar um Programa de Controle da Natalidade, já que não basta ter terras mas recursos para oferecer á população carente, em termos de educação, saúde, habitação, lazer, emprego.

O movimento dos hippies que trouxeram as liberações sexuais dos menores, acrescentou uma população nascida irresponsavelmente, sem condições para uma vida normal na vida adulta.

Como os Governos se fizeram de surdos a este problema, temos hoje uma população enorme carente de tudo e que o meio social mais baixo com uma legião de desempregados, agora incentivados à criminalidade porque terão casa, comida e ainda um salário para não trabalhar.

É impressionante o crescimento da criminalidade em todos Estados do Brasil. São assaltos e crimes que rivalizam com os praticados no Primeiro Mundo em termos de periculosidade e superando-o em termos numéricos.

Ora, o problema do INSS vem se arrastando desde a Unificação, a qual foi feita com o pensamento de que uma Reforma aliviasse a carga pública porque foram estabelecidos tetos para aposentadorias e premiando os altos salários das empresas particulares para Planos de Aposentadoria particulares que por sua vez jamais cumpriram o que prometeram.

Estes altos salários é que mantinham o equilíbrio das despesas com os segurados de baixa renda e os que menos recorriam aos Auxilios-Doenças da PS.

Acresce, ainda, que são as classes sociais, C eD, as que sempre foram e serão quem mais problemas previdenciários apresentam em termos de saúde.

Mas nem sempre só por motivos de saúde, mas simulando doenças na tentativa de mais um ganho para complementar rendimentos com trabalhos autônomos, livres de impostos.

As despesas com alimentação, além das necessárias à higiene das pessoas são altas e a apregoada Cesta Básica, não cobre as necessidades da população carente.

O Governo, pensando premiar os que nada fazem, puniu os aposentados que voltaram a contribuir para o INSS, mesmo afrontando Leis previdenciárias para com esses recursos onerarem a PS com Auxílios demagógicos e contrários ao verdadeiro Bem Estar Social de um povo.

No entanto, são milhares de trabalhadores autônomos que se recusam a contribuir para a Previdência Social. Há firmas organizadas que não assinam carteiras de empregados prometendo parcerias nos negócios. A maioria dessas firmas vivem de serviços terceirizados do próprio Governo.

Quem controla isto? Pela lógica, deveriam ser os Fiscais Federais. Há número suficiente deles para estas árduas e numerosas tarefas?

Então, verificamos que tudo que vemos não passam de meras especulações demagógicas.

Os cofres públicos estão abarrotados de dinheiro porque foi executado o plano que o ex-Presidente Fernando Henrique pretendia implantar no nosso país e o Partidão inventou um confisco nos assalariados das classes A e B, em termos de impostos de toda ordem.

Entretanto, eles estão massacrando as classes sociais A, B e até a C, uma vez que os emergentes de que o Governo tanto se orgulha estão todos no SPC, gastando o que não podem e não ganham, ostentando um crescimento social falso, facilmente comprovados quando aprofundamos estudos sociais sobre eles.

Concluindo, o Auxilio-Reclusão é um acinte aos homens honestos e trabalhadores humildes deste país, uma vez que o Salário- Mínimo é inferior ao concedido aos presidiários.

Voltar